sexta-feira, 9 de setembro de 2011

Brevidade...


Aquele canto preso que se solta afoito-alegre: é só pra ganhar você pra mim. Ela não teme qualquer desafino. Ela é ternura que escapa nas plumas das nuvens do céu. E repousa sem aviso prévio no seu colo. Afaga-lhe com seus lábios lentamente, como quem quer eternizar qualquer instante.
Escreve na areia seus desejos, Amor meu. Escreve vai?! Uso lápis de giz-de-cera para colorir, preencher os papéis em brancos de sua vida. Descongestiono sua rota: âncora que se fez em ti; até a mim. Brisas que se desdobram nessas folhas de desenhos costurados por palavras suas.
Ela fica a contemplar esse Sol sim, que lhe renasce por dentro. Seu olhar alcança seus territórios, deseja vencer as lonjuras, a imensidão do mar.  Rito ancorando o meu olhar que te intera. Ela é espera que derrama por entre seus dedos. Seus passos são valsativos, o vendaval  é rápido e ela vive a brevidade, dentro do seu tempo.

(Fernanda Fraga)



5 comentários:

Rachel Nunes disse...

Texto lindo e terno!
Lendo e sentindo a alma flutuar.

Beijos!

Luana Barcelos Dantas disse...

Extremamente lindo...


Luana Barcelos

Karla Tabalipa disse...

Menina, quanta delicadeza em um texto só! Aliás, seu blog é todo assim! Lindo!

Beijos

A.S. disse...

Belissimo este teu texto... pleno de sensualidade onde cada palavra é uma doce caricia!


Beijos,
AL

Lo Guedes disse...

Violinos!!!!!! Ahhh.. violinos... *suspiros.. rs
Linda, um super beijo! Ps: seu nome é tão...''artistico e bonito''. Entende?
=*