segunda-feira, 3 de março de 2014

Vidral...

Olho-te entre as planícies, estes jardins a alimentarem os meus olhos. Florais que me são como vales, embebidos para percutir nos lábios dos rios  – dos teus amanheceres. Meteoros de um dia que não finda, que não perdura nas fendas, que não sacia minha boca. Suspensa, abocanho tua gravitação; a tombarem, a rangerem, a afagarem na sabedora pétala, onde o meu verbo em ti infinda um pouso – d e s á g u a.
Aninham-se alguns cílios de império botânico, lacrimejam-se nas pálpebras da intacta espera. Acaricio-os, enxugo-os para ver todas as Luas nascerem, rebentas no aqueduto de tuas lembranças que me são como tímidos trovadores de pintassilgos. E nos perdemos em que ternura, vestiu-se de hiatos. Assim soltei um manancial de visgos para reacenderem meu fôlego pelo Infinito.  E guardar esse relicário de bem-querer nas frestas de nós dois.
Emparelhados os vaga-lumes vagam nas facetas ósseas. Frouxidões de feixes escolióticos, entre teus dedos que jamais romperam a amplidão de nós. A um amanhã que trespassou meus ontens. E rasuraram eloquentes nas fáscias aderidas sob teus silêncios. Espaços de uma moldura a dissolver o que não coube para tuas promessas. Insones vaga-lumes voam nos vasos, nos vãos do lume. Em um vidral pendurado na memória a refletir o céu dos dois lados.

(Fernanda Fraga)

*Imagem site Google, sem especificação fidedigna da autoria.

Um comentário:

Danilo Mendonça Martinho disse...

Sentimento como a natureza, nasce sempre do mais profundo da terra.