quinta-feira, 11 de julho de 2013

Sabia ser...

Tinha nos rastros
A métrica de ser além,
Olhar os detalhes, timbrar dobraduras,
Pintar cores e com elas nos dedos,
Tentava salvar a si,
Plexo Solar decorava medidas.
Viva, se despertencia do peso,
Se distraía das opressões,
Mascarava desilusões,
Tinha no abraço
A extensão do seu abrigo,
Desabrigava lonjuras,
Morava dentro do verso
Satélite de cenários encantados,
Sabedor de suas letras, vogal maior
Era amada, enquanto apenas versava
Enquanto o outro habitava dentro da rima
Paragrafo,
Pausa – aberta
Sabia ser.
Era qualquer coisa que fosse além,
Que fosse Amor.
(Fernanda Fraga)

3 comentários:

Wendel Valadares disse...

"Sabia ser.
Era qualquer coisa que fosse além,
Que fosse Amor."
(Fernanda Fraga)

Que lindo!!!

Alexandre Lucio Fernandes disse...

Poema com encanto exultante, que saber ser mais que poema, mas magia, essência que remaneja os cantos da alma. Poema que mora no olhar, nas redobras mais finas e sensíveis da alma. Poema que sabe ser... Amor.

Lindo Fer!!

Beijo!!

Danilo MM disse...

Nem que seja apenas amor.