domingo, 14 de julho de 2013

Mirante...

Pedaços soltos cingem meus dias
Me visitam sussurros sem tua voz,
Pendulam tuas delimitações
nos vãos da porta, sem aceno algum
Olho na fresta entrecortando o Sol,
Desmisturas os movimentos
Minha memória semi-presente
Olho pr´as nuvens,
deito meu cansaço na montanha mais alta.
Tentando vasculhar teus fragmentos
reflexos de paisagens minhas
E não te vejo mais,
Não mais...
Minha língua saboreia o agridoce espaço
Mirante, saudoso, vasto.
Um gris desliza nos olhos
Hoje o Mar chorou por mim.
 (Fernanda Fraga) 

:::”Reduzistes o meu universo a pedaços que navegam no espaço sem sentido, vertiginosamente, enquanto eu guardo no céu da boca para encher a tua noite de estrelas”. (Albino Santos)
*Imagem do Google, site específico não encontrado.

5 comentários:

Wendel Valadares disse...

Ahhh, quanta sensibilidade e entrega...

Lindo Fêfê, moça das palavras bonitas...

<3

Um beijo!

Alexandre Lucio Fernandes disse...

Um olhar que deságua e clama a poesia que se estende ao redor. Para se acolher no íntimo, para adornar o que há em nós. Pedaços de encanto que se misturam, sensações que se cruzam e ficamos a cingir esperanças. Esperança do encontro. O mar chora o que em nós já transbordou.

Lindo poema Fer.

Atualizei com um poema também. :)

Beijo!!

Danilo MM disse...

E quando esse mar passa, ninguém sabe o que ele vai levar.

Milene Cristina disse...

Fernanda. Suas palavras parecem dançar dentro de mim. Passo e não vou sozinha, levo tua leveza comigo. Beijo

Pedro Luis López Pérez (PL.LP) disse...

Vengo del blog de Milene Cristina y me ha encantado tu rincón; por lo cual, si no te importa, me hago seguidor de tu Maravilloso Espacio.
Abraços.