sexta-feira, 26 de abril de 2013

A Poesia de Deus...


De todos os desejos, que esse instante em que o tempo sereneia meus dias; sobre a graça do Pai: reverencio. Logo ao nascer, soltei meu primeiro grito enquanto os passarinhos avisavam que meu nome tornaria a Poesia de Deus. Seu tecido mais precioso, os olhos coloridos; Seu longínquo Céu. Aquela terna meninice, a mulher míope, que enxerga e não vê, mas que vê bem além; enquanto faz adágios poéticos com os dedos no papel. Aqueles desenhos da infância emolduravam meus murais, com cheiro da palavra brotada, lugarejos aveludados; montanhas com arco-íris e aguamentos. Eram meros rabiscos quiçá virariam um dia estrofes.

Esse é o tempo de todos os desejos, das marés revoltas e habituais calmarias; da semente e da figueira. Meu esboço imperfeito, da matriz de toda perfeição. Que eu aprenda a recomeçar todos os dias, pra manter-me sensível ao outro e se cobrir de Gratidão. É essa a geometria dos calendários, a certeza pra desnomear palavras e seus instrumentos no divino sons das flautas. Por ser esse o alfaiate dos segundos, o retrós de todos os vieses. Um caminho cheio de (des)encontros.

E é dessas querências tantas, que estilhaças a pele, por ser ternura toda, em todos os dias. A pegar poeira no rosto, atravessar o rio e viver bravamente suas marés da vida também. A fazer milagres no gris de suas visões, ainda que suas retinas, íris, e toda sua córnea fora bordada para vir a ser o traço, o detalhe marcado de Deus.

A sorver o sacralizar da Poesia, já feito mistério d´Ele, para que sejas seu testemunho secular. É esse o carrossel das minhas estações, sabedor das horas e das curas. De céu e de Mar. Do meu passado e meu presente. Meu futuro e a entrega adormecida, dentro de alguma espera. 
Minhas cheganças anunciam meus hiatos, com o desejo pleno, e a alegria brindada com o coração de Deus.  (Fernanda Fraga)

*Imagem do Google, site específico da imagem não encontrado.

3 comentários:

Wendel Valadares disse...

Que beleza. Que pureza. Que sensibilidade.

Amei!!! <3

Alexandre Lucio Fernandes disse...

Esse texto costura dotes de amor no peito. Lutra com poesia desmedida o coração. É lindo, divino, inspirador.

ELE inspira...

Beijo!!

Milene Cristina disse...

Como não amar um texto tão lindo. Senti como um abraçar de Deus em meio a liberdade, admirando tudo, fazendo um minuto eternidade. Beijo!