domingo, 23 de outubro de 2011

Minha retina na sua íris (...)



Adormeço quieta, com os olhos entreabertos, fixos a margem das nuvens de algodão. Sopram cataventos na persiana do quarto. Espirais coloridos refletem sua face, o queixo quadrado, o sorriso gracioso a desaguar em mim.
Mas não sei... não vejo seus nuances como outrora, está desfogado, afrouxou esse espaço visual entre a minha retina e a sua íris. Parece está em contramão o seu agora, seu despertar perpassando as cortinas das minhas manhãs com sua luz. Enrolada por entre os lençóis da minha cama e os arrepios da pele.
Me desperto desatenta: Onde está meu Céu estreladinho? Cadê ele?

(Fernanda Fraga)


5 comentários:

Impulsiva disse...

Este céu que às vezes foge de nós e nos tira aquele conforto de poder vê-lo, dizem por aí, pode estar dentro de nós... que lindo texto, que bom passar por aqui antes de dormir!

Beijos,
Kenia Araújo.

JasonJr. disse...

Lindo e eu adorei o título! :D :D

Carol Loureiro disse...

O que é escreveu é lindo e com sentimento...

Parabéns, amada!!

Um beijo carinhoso

Natalie Dowsley disse...

Lindo! E por isso encheu-me de uma saudade triste...
Forte abraço.

Poupée Amélie™ disse...

Quanta delicadeza por aqui, Fernanda!
=)