segunda-feira, 4 de agosto de 2014

Um olhar, longo de horas...

Dilato aquela cor úmida
A estrada de abismos,
E nos pés Claves,
aguadas de encantamentos,
Teu corpo no poema
Letral de pedra oculta, sulcada;
Quase já não sei de ti
Que fosse o perfume
A vestirem sobre o teu Sol,
Que fossem as areias temperando nossos mares,
Que fossem tácitos os dias,
ébrios para endivinarem o fio
Que quase tocam o boca.

Ocupo-me por essas versões inteiras
Encostadas ao cair da tarde
Porque quero haver o fluxo azul
De um sombreado à caminho
Um olhar, longo de horas
Para abastecer líquidas as mãos
Sobre o mapa.

(Fernanda Fraga, Botumirim – MG, Maio de 2009, *um dia frio e longe, bem longe de casa 

*Imagem do Google, não encontrado a autoria real da imagem, caso saibam enviam-me para fazer a creditação.   

5 comentários:

Suzana Martins disse...

Ocupo-me das saudades que sobrevoam o caminho!!!

Lindo demais, Fernanda!!

Beijos lindona!!^^

Dayse Sene disse...

Lindo seu texto Fernanda...Parabéns!

Mª Fernanda Probst disse...

Que lindo Fer! :*

Danilo Mendonça Martinho disse...

Quem sabe uma estrela ainda saiba o caminho.

Wendel Valadares disse...

Fêfê, minha flor de Minas

que poema mais lindo e cheio de encantos.

Espero que alguma coisa muita linda e azul e calma lhe abrace com toda a delicadeza e generosidade que você merece.

Um beijo.

Te quero tanto bem!!!!