segunda-feira, 6 de agosto de 2012

Pra desmanchar o que ainda te dói...


Por isso quando a respiração ficar rápida demais – atente em inspirar arqueando o tórax.
Pra durar mais o frescor do eucalipto a ser aspergir nos álveolos de sua alma.
Qualquer coisa simples pra mobilizar os suspiros e desmanchar o que ainda te dói.
Pois nesse artesanato de dores, lágrimas e desencontros fica aquele sei lá do quê, de um ar contrito no peito, mas que de alguma forma dava pra ver por destrás das névoas, alguns remos; uma tentavia qualquer no nau dos olhos míopes.
Mas e aí? Requer então, uma demora por todas as míudezas de nós mesmos. E que se revele nas linhas, nos espelhos intercostais em tentar desamar; mesmo quando delas somos avesso e o próprio encontro. Um instante aqui pra costurar um harém dos contos estraçalhados. Porque o Amor é na verdade o olhar pelos subúrbios de si no outro, pra alumiar os assombros de seus próprios breus.

(Fernanda Fraga)

9 comentários:

Luana Barcelos Dantas disse...

Sim, também acredito que o amor alumia os assombros de seus próprios breus...lindo, beijim

Maria disse...

belíssimo!

Poeta da Colina disse...

A luz que ainda guia para casa.

Arianne Barromeu disse...

O amor nos limpa de tudo, é leve e puro! Seu texto ta lindo, Fernanda. (:


Beijos,
http://eppifania.blogspot.com.br/

meus instantes e momentos disse...

bonito tudo aqui. Gostei.
Maurizio

Luiza Maciel Nogueira disse...

lindo Fernanda esse esboçar das palavras em verso prosa

beijo

Pedro Menuchelli disse...

Fer,

Nesse caso o tempo é o maior predominador das coisas. Ele define o que vai acontecer, como e com quem. A dor passa, a alegria vem e esse é um ciclo interminável. Desejo a você todas as felicidades possiveis, porque você merece.

Um grande beijo,


Pedro Menuchelli

Giovanna Cóppola disse...

Gostei, Fernanda! :)

Carol Righetto disse...

O amor nos devolve a nós mesmos.
Bjos